• Família: Myrtaceae

  • Gênero: Corymbia

  • Subgênero: Corymbia

  • Espécie: Corymbia torelliana (F.Muell.) K.D.Hill & L.A.S.Johnson

 

Área de origem e clima

O Corymbia torelliana ocorre naturalmente na região costeira do nordeste da Austrália, no estado de Queensland, entre as latitudes 16ºS e 19ºS, nas proximidades de Atherton, Ingham e Port Douglas (Figura 1); geralmente em altitudes que variam de 30 m a 750 m, com temperaturas médias nos meses mais quentes entre 29ºC e 31ºC e nos meses mais frios entre 12ºC e 15ºC (Boland et al., 2006). A pluviosidade média anual é de 2000 mm, com chuvas mais abundantes no verão (Reis et al., 2014). Segundo Boland et al. (2006), o local de ocorrência registra geadas pouco frequentes, entretanto tem-se notado boa tolerância ao frio. O C. torelliana é encontrado em encostas de serras em solos formados por rochas arenosas e metamórficas. Os solos são férteis, de textura média com boa drenagem, e elevada capacidade de retenção de água (Boland et al., 2006).

 

Descrição botânica

De acordo com Lorenzi et al. (2003) e Boland et al. (2006), a espécie (Figura 2) em questão apresenta as seguintes características morfológicas:

  • Casca: persistente, escamosa, de cor cinza a pardo-escura, lisa e verde na região superior do tronco e dos ramos (Figura 3 e Figura 4). 

  • Folhas juvenis: alternas, sem aroma típico, largo-ovaladas ou ovalado-lanceoladas, muitas vezes peltadas e hirsuto-pubescentes, comprimento de 10 cm a 17 cm e largura de 5 cm a 8 cm, com pecíolo de cerca de 2 cm (Figura 5).

  • Folhas adultas: alternas, ovaladas, verde-escuras na face superior, com 12 cm a 19 cm de comprimento (Figura 5).

  • Inflorescências: umbelas terminais dispostas em panícula com pedicelos hirsuto-pubescentes. Os botões florais apresentam formato ovóide, com ápice cônico e curto; e as flores são branca-róseas, sendo vistosas e numerosas (Figura 6 e Figura 7). A floração pode ocorrer durante todo o ano, mas é abundante durante o verão (Hodel, 2012). 

  • Frutos: : ovoide-esféricos, sendo acinzentados, lenhosos, deiscentes, com valvas inclusas e 0,9-1,4 x 0,9-1,4 cm de dimensão (Figura 8).

  • Sementes: elípticas, não aladas, marrom-avermelhadas e com hilo ventral. Contém aproximadamente 530 mil sementes/kg (quilograma de sementes inteiras e puras, isto é, sem resíduos) (Bisht e Ahlawat, 1999). 

  • Madeira: cerne com coloração que varia de castanho-claro a marrom (Figura 9 e Figura 10), com densidade básica aos 15 anos de 597 kg/m³ (Segura, 2015).

 

Usos potenciais

A madeira de C. torelliana pode ser usada para confecção de dormentes e postes, produção de carvão e matéria prima para serraria (Golfari et al., 1978). Conti Júnior et al. (2008) avaliaram os índices de encurvamento e rachadura em árvores de E. grandis, E. saligna, C. citriodora e C. torelliana entre 17 e 23 anos de idade. Todas as espécies obtiveram índices de encurvamento abaixo de 10 mm. O C. torelliana apresentou as menores rachaduras dentre as espécies estudadas, em média 7 cm em cada face da tábua.
Há relatos do uso da espécie em consórcio com a cultura do milho (Moniz, 1987); do uso como quebra-ventos (Tamang et al., 2011); e do uso em bordadura de fragmentos florestais para atenuação do efeito de borda (Deliberali e Seixas, 2010).
C. torelliana pode ainda ser utilizada como ornamento paisagístico, devido à copa e tronco de características marcantes (Lorenzi et al., 2003). A casca e extratos da folha também têm sido utilizados na Nigéria como produtos medicinais para tratamento de feridas e úlceras (Adeniyi et al., 2006). Segundo Lawal et al. (2012), o tratamento com folha e casca de C. torelliana foi eficiente no combate a tosses associadas à tuberculose e outras infecções respiratórias.

 

Silvicultura

C. torelliana é ainda pouco cultivada no Brasil (Lorenzi et al., 2003). Para Reis et al. (2014), a formação de copa esgalhada e baixo crescimento em altura não tem estimulado seu plantio como espécie pura.
Higa e Sturion (1991) estudaram a capacidade e rapidez de crescimento de brotações em 13 espécies de eucalipto no município de Uberaba-SP, em que C. torelliana não obteve resultados satisfatórios: 4 meses após o corte da floresta (possuía 10,5 anos de idade) foram observadas brotações em apenas 52% das cepas e altura média de brotos igual a 10 cm, para cepas com diâmetro médio de 18,8 cm.
Uma característica peculiar de C. torelliana são as protuberâncias e saliências encontradas no fuste, as quais são resultantes de cicatrizes de galhos grossos (Figura 11). Esse aspecto é observado, pois a espécie paralisa seu crescimento durante o florescimento, ocorrendo o engrossamento dos galhos (Reis et al., 2014). Portanto, em plantios destinados à serraria deve-se considerar a possibilidade de realizar a desrama no intuito de melhorar a qualidade do fuste (Pulronik et al., 2009). A Figura 12 mostra um plantio regular de C. torelliana aos 12 anos de idade em Piracicaba-SP com fuste reto e poucas bifurcações.
Em comparação com o E. grandis e E. camaldulensis, o C. torelliana é a espécie que tem a maior capacidade de interceptação de radiação solar, deixando assim o sub-bosque com menor luminosidade (Schumacher e Poggiani, 1993). Por esse motivo, o sub-bosque de povoamentos com esta espécie é caracterizado por ser pouco desenvolvido (Schumacher, 1992). Segundo Reis et al. (2014), a elevada interceptação pela copa faz do C. torelliana uma espécie potencial para recuperação de áreas degradadas, pelo fato de reduzir a incidência de gramíneas invasoras no período de colonização. Deliberali e Seixas (2010) estudaram o efeito de uma aleia simples de C. torelliana sobre o microclima na bordadura de um fragmento florestal em Campinas-SP. Os resultados indicaram que o microclima se tornou mais ameno; em que as variáveis de velocidade do vento, temperatura do ar e temperatura do solo diminuíram, enquanto que a umidade relativa do ar aumentou, quando comparados aos trechos sem a presença da aleia.
Em relação ao crescimento e produtividade, o projeto TUME possui dados da espécie em diferentes regiões do país, e em diversas condições climáticas. No município de Itatinga-SP (latitude 23º06'S; longitude 48º37’O; altitude 845 m), que possui temperatura média anual de 19°C, precipitação média anual de 1300 mm, o C. torelliana aos 70 meses de idade apresentou volume de 42 m³/ha, que corresponde ao Incremento Médio Anual (IMA) de 7,2 m³/ha.ano. No município de São Manuel-SP (22º43'S; 48º34'O; 709 m), com condições climáticas semelhantes à de Itatinga-SP, a espécie atingiu o volume de 67 m³/ha e um IMA de 11,5 m³/ha.ano, também aos 70 meses de idade (TUME, 2016)
Em Chapadão do Sul-MS (18º48’S; 52º37’O; 905 m), com uma temperatura média anual de 23°C e precipitação anual de 1600 mm, o C. torelliana aos 48 meses de idade, atingiu volume de 94 m³/ha e IMA de 23,5 m³/ha.ano. Em Mandaguari-PR (23°32'S; 51°40'O; 740 m), em um clima diferente de Chapadão do Sul, com temperatura média anual de 19°C e precipitação anual de 1300 mm, o C. torelliana atingiu o volume de 94 m³/ha e um IMA de 24 m³/ha.ano aos 47 meses de idade.
Para Assis (2014) a utilização de híbridos de C. torelliana x C. citriodora é uma alternativa para superar dificuldades da silvicultura relacionadas às quebras por vento; danos causados por pragas e doenças; e seca de ponteiro devido ao déficit hídrico. O mesmo autor ressalta que esses híbridos, denominados informalmente de ‘torelliodora’, tem potencial de IMA no sétimo ano acima de 40 m³/ha.ano e ao mesmo tempo densidade básica da madeira maior que 600 kg/m³. Com relação à produção de mudas por propagação vegetativa de híbridos de C. torelliana x C. citriodora, Wendling et al. (2014) observaram enraizamento entre 61 e 68% das estacas e consideram viável a produção de mudas com esse hibrido em larga escala.

 

Suscetibilidade a pragas e doenças

Foi registrado o ataque de Costalimaita lurida em povoamentos de C. torelliana aos 12 meses de idade, no norte de Minas Gerais (Arnhold e Gonçalves, 2010). Sucessivas desfolhas podem causar desequilíbrios nos processos fisiológicos da planta, reduzir seu crescimento e até mesmo ocasionar a morte do indivíduo (Freitas, 1998). Já em viveiros, as mudas podem sofrer ataques de Oidium eucalypti (Alfenas et al., 2004).
Por outro lado, estudos têm mostrado que o C. torelliana tem boa resistência à ferrugem (Puccinia psidii) e ao cancro (Cryphonectria cubensis) (Abad et al., 2013); e resistência moderada à doença abiótica conhecida como gomose (Alfenas et al., 2004). 
Segundo Oliveira (1987), a espécie também se mostrou tolerante à seca do ponteiro do eucalipto no Vale do Rio Doce (Minas Gerais) e posteriormente Abad et al. (2013) verificaram que clones de C. torelliana x C. citriodora não apresentaram o distúrbio fisiológico no sul da Bahia, como foi registrado em clones de E. grandis x E. urophylla.
Quanto à madeira de C. torelliana, Gonçalves et al. (2013) verificaram ausência de efeitos significativos no ataque de cupins de madeira seca, tornando a espécie indicada para fabricação de móveis estruturados.

 

Figuras

Figura 1. Área de origem do C. torelliana na Austrália (fonte: adaptado de Reis et al., 2014).

 

Figura 3. Fuste de C. torelliana, na área de origem (fonte: Central Qld Landcare Network).

 

Figura 5. Folhas juvenis e adultas de C. torelliana (fonte: Brisbane City Council).

Figura 7. Inflorescências de C. torelliana (fonte: Top Tropicals).

 

Figura 2. Árvore adulta de C. torelliana em ambiente urbano (fonte: Atlas of Living Australia).

 

Figura 4. Casca de C. torelliana (fonte: Brisbane City Council).

Figura 6. Botões florais de C. torelliana em estádio avançado de amadurecimento (fonte: Encyclopedia of Life).

 

Figura 8. Ilustração do fruto de C. torelliana (fonte: Australian Tropical Rainforest Plants).

Figura 9. Corte transversal de tora de madeira de C. torelliana, com destaque para a diferenciação entre cerne e alburno (fonte: Reis et al., 2014).

 

Figura 11. Cicatrizes ocasionadas por galhos grossos em árvore de C. torelliana (fonte: Reis et al., 2014).

Figura 10. Corte tangencial de tora de C. torelliana.

Figura 12. Plantio de C. torelliana aos 12 anos de idade em Piracicaba-SP.

Referências

Abad, J.I.M.; Assis, T.F.; Mafia, R.G.; Aguiar, A.M. Melhoramento genético do eucalipto para resistência à doenças bióticas e abióticas. In: Patologia florestal: desafios e perspectivas. Lavras: Núcleo de Estudos em Fitopatologia, UFLA, 2013. p. 137-155.

                                                              

Adeniyi, B.A.; Odufowoke, R.O.; Olaleye, S.B. Antibacterial and gastroprotective properties of Eucalyptus torelliana [Myrtaceae] crude extracts. International Journal of Pharmacology, v. 2, n. 3, p. 362-365, 2006.

 

Alfenas, A.C.; Zauza, E.A.V.; Mafia, R.G.; Assis, T.F. Clonagem e doenças do eucalipto. Viçosa, MG: Ed da UFV, 2004. 442 p.

 

Arnhold, A.; Gonçalves, D. Ocorrência de Costalimaita lurida (Coleoptera: Chrysomelidae) em Eucalyptus spp. em Minas Gerais. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 30, n. 63, p. 257-259, 2010.

 

Assis, T.F. Melhoramento genético de Eucalyptus: desafios e perspectivas. In: Encontro Brasileiro de Silvicultura, 3, 2014, Campinas. [Anais eletrônicos...]. Curitiba: Embrapa Florestas, 2014.

 

Atlas of living Australia. Corymbia torelliana. Acesso em: 06/03/2016. Disponível em: link.

 

Australian Tropical Rainforest Plants. Corymbia torelliana. Acesso em: 06/03/2016. Disponível em: link.

 

Bisht, N.S.; Ahlawat, S.P. Seed Technology, State Forestry Research Institute, Government of Arunachal Pradesh, Itanagar, India, 1999.

 

Boland, D.J.; Brooker, M.I.H.; Chippendale, G.M.; Hall, N.; Hyland, B.P.M.; Johnston, R.D.; Turner, J.D. Forest trees of Australia. CSIRO, 2006.

 

Brisbane City Council. Cadaghi: Corymbia torelliana. Acesso em: 06/03/2016. Disponível em: link.

 

Central Qld Landcare Network. Cadaghi: Corymbia torelliana. Acesso em: 06/03/2016. Disponível em: link.

 

Conti Júnior, J.L.F.; Facco, L.E.; Barchet, V.G.; Garcia, J.N. Espécies de Eucalyptus potenciais para produção de madeira serrada. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica, 16, 2008, São Paulo. [Anais eletrônicos...]. São Paulo: USP, 2008.

 

Deliberali I.; Seixas, F. Efeito do plantio de Eucalyptus torelliana em aleia sobre o microclima da borda da Mata de Santa Genebra, Campinas/SP. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica, 18, 2010, São Paulo. [Anais eletrônicos...]. São Paulo: USP, 2010.

 

Encyclopedia of Life. Eucalyptus torelliana. Acesso em: 06/03/2016. Disponível em: link.

 

Freitas, S. Efeito do desfolhamento na produção de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden (Myrtaceae) visando avaliar os danos causados por insetos desfolhadores. 99 f. Tese (Doutorado em Curso de Pós-Graduação em Entomologia) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", 1988.

 

Golfari, L.; Caser, R.L.; Moura, V.P. Zoneamento ecológico esquemático para reflorestamento no Brasil (2ª. Aproximação). Belo Horizonte: Prodepef, 1978. 66 p. (Prodepef. Série técnica, 11).

 

Gonçalves, F.G.; Pinheiro, D.T.C.; Paes, J.B.; Carvalho, A.G.; Oliveira, G.L. Durabilidade natural de espécies florestais madeireiras ao ataque de cupim de madeira seca. Floresta e Ambiente, Rio de Janeiro, n. 20, v. 1, p. 110-116, 2013.

 

Higa, R.C.V.; Sturion, J.A. Avaliação da brotação de treze espécies de Eucalyptus na região de Uberaba-MG. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 22/23, p. 79-86, 1991.

 

Hodel, D.R. Trees in the landscape, Part 3: Corymbia torelliana. Western Arborist, Spring, 2012.

 

Lawal, T.O.; Adeniyi, B.A.; Moody, J.O.; Mahady, G.B. Combination studies of Eucalyptus torelliana F. Muell leaf extracts and Clarithromycin on Helicobacter pylori. Phytotherapy Research, London, n. 26, p. 1393-1398, 2012.

 

Lorenzi, H.; Souza, H.M.; Torres, M.A.V.; Bacher, L.B. Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2003. 352 p.

 

Moniz, C.V.D. Comportamento inicial de eucalipto (Eucalyptus torelliana F. Muell), em plantio consorciado com milho (Zea mays L.) no Vale do Rio Doce, em Minas Gerais. 61 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, 1987.

 

Oliveira, J.M. Seca de ponteiros do eucalipto na região industrial do Vale do Rio Doce – MG. Monografia (Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-MG, 1987.

 

Pulronik, K.; Reis, G.G.; Reis, M.G.F. Desrama artificial de florestas plantadas de eucalipto. Embrapa Cerrados, 2009.

 

Reis, C.A.F.; Assis, T.F.; Santos, A.M.; Paludzyszyn, E. Corymbia torelliana: estado da arte de pesquisas no Brasil. Colombo: Embrapa Florestas, 2014 (Série Documentos Embrapa Florestas).

 

Schumacher, M.V. Aspectos da ciclagem de nutrientes e do microclima em talhões de Eucalyptus camaldulensis, E. grandis e E. torelliana. 87 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1992.

 

Schumacher, M.V.; Poggiani, F. Caracterização microclimática no interior dos talhões de Eucalyptus camaldulensis Dehnh, Eucalyptus grandis Hill ex Maiden e Eucalyptus torelliana F. Muell, localizados em Anhembi/SP. Ciência Florestal, Santa Maria, RS, v. 3, n. 1, p. 9-20, 1993.

 

Segura, T.E.S. Avaliação das madeiras de Corymbia citriodora, Corymbia torelliana e seus híbridos visando à produção de celulose kraft branqueada. 2015. Tese (Doutorado em Recursos Florestais) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2015.

 

Tamang, B.; Andreu, M.G.; Staudhammer, C.L.; Rockwood, D.L.; Jose, S. Towards an empirical relationship between root length density and root number in windbreak grown cadaghi Corymbia torelliana trees. Plant Root, n. 5, p. 40-45, 2011.

 

Top Tropicals. Corymbia torelliana. Acesso em: 06/03/2016. Disponível em: link

 

TUME. Teste de Uso Múltiplo do Eucalyptus. Acesso em: 05/04/2016. Disponível em: link.

 

Wendling, I.; Brooks, P.R.; Trueman, S.J. Topophysis in Corymbia torelliana × C. citriodora seedlings: adventitious rooting capacity, stem anatomy, and auxin and abscisic acid concentrations. New forests, v. 46, n. 1, p. 107-120, 2015.

 

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

Escrito por: Ítalo Ramos Cegatta (Abril/2016).

 

Corymbia torelliana